link rel=alternate type=application/rss+xml title=RSS-Feed href=http://www.sindicatocp.org.br/index.php?id=10type=100 /

Login

Informe seu login e senha para acessar a área restrita:

Login:
Senha:
 
Data: 22.08.2018 17:18
Categoria: Notícias Gerais, CEF

Sindicatos reafirmam manutenção do Aditivo em negociação com a Caixa


Os sindicatos reafirmaram a manutenção do Aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), com garantia do Saúde Caixa, durante a sétima rodada de negociação com a Caixa Federal, realizada nesta quarta-feira (22), em São Paulo. Os sindicatos e a Caixa retomam o processo de negociação nesta quinta-feira (23). O diretor do Sindicato Carlos Augusto (Pipoca) participou da rodada como representante da Federação dos Bancários de SP e MS. A seguir, os principais pontos da proposta da Caixa.

Trabalho noturno: exclusão da jornada mista. O atual aditivo garante o pagamento do adicional noturno, mesmo nas horas de trabalho efetuadas após às 7h.

Tíquete e cestas alimentação: limitar o pagamento nas licenças médicas por no máximo 180 dias e excluir o pagamento nas hipóteses da Licença Caixa. E mais: limitar em dois anos o pagamento nos casos de prorrogação da licença acidente de trabalho e doenças graves.

Ausências permitidas (cláusula 20ª): exclusão da linha I, que versa sobre o abono de ausências para participação em seminários, congressos ou outras atividades; da linha L, que garante o abono das ausências de 12 a 16 horas, por ano, conforme a jornada no empregado, respectivamente, para levar cônjuge, companheiro (a), pai, mãe e filho ou dependente, para profissional de saúde mediante a comprovação até 48 horas após; e da linha M, abono de dois dias por ano para internação hospitalar por motivo de doença de cônjuge, companheiro, filho, enteado, pai ou mãe.

Saúde Caixa: O Saúde Caixa passaria a ser chamado de assistência saúde. A Caixa afirma em sua proposta que aplicará as normas da ANS e reorientação da CGPAR (Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União), assegurando assistência apenas aos empregados ativos e aos respectivos dependentes. Quanto aos aposentados, só garantirá assistência para os empregados que se desligarem até a data de início da vigência do futuro Aditivo.

Auxílio-doença: limitar a suplementação (cláusula 33 do Aditivo) ao período máximo de 365 dias, consecutivos ou não, para cada período de 10 anos de trabalho.

Banco de Horas: A proposta diverge das condições previstas no atual Aditivo (cláusula 9ª). Hoje, pagamento de 50% e compensação de 50%. No caso de agências com até 20 empregados, pagamento integral (100%).

Intervalo de descanso: ampliar para 30 minutos para quem faz jornada de 6h (15 minutos dentro da jornada e 15 minutos fora da jornada). Hoje o intervalo é de 15 minutos. Para quem faz jornada acima de 6h, redução para 30 minutos (hoje é 1h).

Avaliação: Para o diretor Carlos Augusto, “diante do lucro expressivo (R$ 6,7 bilhões no primeiro semestre deste ano), as propostas da Caixa estão fora do lugar. Afinal, a instituição não vive um desequilíbrio financeiro, que requer qualquer tipo de medida para sanear suas contas. É preciso que prevaleça o negociado sobre o legislado, como sugere a nova legislação trabalhista”.

Fonte: Contraf


Imprimir       Enviar por email

Comentários

Sem comentários


Adicionar comentário

* - campo obrigatório

*




Imagem CAPTCHA para prevenção de SPAM
Se você não conseguir ler a palavra, clique aqui.
*
*